“A minha história de relactação” da Mãe Joana

Mães contam as suas histórias de como deixaram o suplemento e voltaram a amamentar em exclusivo – algumas tendo já deixado de amamentar totalmente, outras apenas parcialmente – para que outras mães a viver situações semelhantes saibam que é possível deixar suplementos ou manter a amamentação quando é necessário introduzir um.

Relactação

Uma definição simples, poderia ser… Processo de suprimir um suplemento, de forma gradual, para que a amamentação possa voltar a ser a fonte exclusiva/predominante/parcial de leite do bebé. OU processo de voltar a amamentar depois de ter parado durante algum tempo.

IMPORTANTE:
  1. Se for aconselhada a introduzir suplemento contacte uma conselheira de aleitamento materno o mais depressa possível para que possa ser orientada no sentido de manter e recuperar a amamentação;
  2. Aconselhamos que ao fazer uma relactação tenha apoio presencial de um profissional com formação em amamentação; que seja feita gradualmente, em pleno respeito pelas necessidades do bebé e da mãe.
    Se não sabe onde obter apoio, contacte-nos e encaminharemos para alguém próximo.
Conheçam a história de amamentação da segunda filha da Joana.

1d13fc_7b3b5235f16346b282bcd5585471eb68 (1)«(…) Continuei a amamentar com dores, com sangue e com muita, mas mesmo muita, ansiedade. A minha filha não aumentava o esperado semanalmente e foi-me aconselhada a introdução do leite artificial como suplemento.
Nesta altura já tinha sido aconselhada no hospital a deixar de dar de mamar pois tinha os dois mamilos com infeções muito graves. Num deles ainda suportava as dores durante a mamada, mas no outro nada me podia tocar, muito menos uma bebé a mamar. O meu mamilo direito tinha desaparecido e no seu lugar existia uma cratera.
Entretanto as minhas mamas não melhoravam e aí procurei o apoio de uma conselheira de aleitamento materno (CAM) que, depois de ver a minha filha mamar, não encontrou qualquer problema. Depois de alguns dias e ainda com muitas dores, liguei para a C.D. (CAM) a dizer que ia desistir – ninguém merecia estar a passar por isto, etc, etc!
Marcámos, então, uma consulta numa clínica em Lisboa com médicos especializados em problemas da amamentação; era o meu último recurso.
A minha filha tinha o freio curto e muito difícil de detetar. Eu teria de tomar antibiótico e colocar várias pomadas. A mama em pior estado teria de repousar e eu suplementaria com o que conseguisse retirar e/ou com leite artificial.
Hoje, depois de 1 mês a dar de mamar de uma só mama mais suplemento, a minha bebé continua a mamar de uma só mama quase em exclusivo.
(…)
Consigo, finalmente, ter prazer a dar de mamar e posso dizer que achava mesmo que não conseguiria.
Desta minha história posso dar um conselho: procurem ajuda. Em cada zona do país existem pessoas especializadas e com grandes corações, dispostas a ajudar. Pena é que não abram as portas a estas pessoas nos hospitais e maternidades deste país. Se assim fosse, os nossos bebés mamariam mais, e nós, mães, não passaríamos por tantas dificuldades.»

Joana G.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *